quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Restaurante Ferrugem: poesia empratada e engarrafada



20h30: o dia vai empurrando para a noite.


Uma migalha na mesa e logo logo o Sr Abílio enxota-a dali para fora. Tudo na perfeição, nada se descura: a luz, os sons, os movimentos, os paladares,cheiros e as texturas.  O Sr Abílio é quem anuncia e inicia o espetáculo: "lady and gentleman, o espetáculo vai começar".



No palco o Chef Renato Cunha e a sua equipa  dão início à composição musical - tachos, panelas, pratos, copos, mãos, facas, tábuas, xistos - às vezes também em coro, uníssonos, com vários movimentos.























Na sala e nas mesas deambulavam as notas musicais. Havia-as de várias cores e movimentos. Cada nota musical são notas musicais que vêm sem medo, que deixam ficar escrito a várias cores aquilo que querem dizer, sempre com imagens precisas. São notas musicais que não precisam de fogo de artifício para adornar as suas belezas e demonstram que a verdade existe nas coisas simples e comuns.

























Músicas sem fim e com identidade, sem pausas. Neste espaço o tempo não aceita estar parado tanto tempo, há um tempo certo para tudo.






Acredito que muitos dos que aqui passaram (mesmo que de passagem) já moram neste lugar.






Quem pode sentir descanso com o Ferrugem a chamar?



Ricardo Soares

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Quinta dos Abibes arinto & baga Reserva 2013


É verdade que não vou encontrar a pedra filosofal neste espumante, mas busco-a constantemente. Procurando-a, descubro muitos bons segredos que se não procuravam. São várias as pepitas que vou descobrindo no seu caminho, sempre cada vez maiores.

Reforço: é muito mais do que propriedades organolépticas. Experimentem descobrir em vez de explicar...

Não somos seres vegetativos, eu existo, os Abibes existem...

Procurar...
                   descobrir...
                                        procurar...
                                                            descobrir...



Ricardo Soares

Quinta do Escudial branco 2014


Desilusão. Um vinho que adoro e que estava destinado para o jantar. Um repasto pensado para ele. Não estava bebível...não vou atribuir culpas a ninguém porque os motivos poderão ser vários, eu incluído.

Contudo, não foi por ter azar nesta garrafa que não irei mais beber este vinho. Nada disso. Tal como disse Boécio: "em toda a adversidade do destino, a condição que gera mais infelicidade é o facto de se ter sido feliz."

Ricardo Soares

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Começa a ser hábito: Royal Palmeira Loureiro e Restaurante Elvira


Hoje o texto será curto. Se querem saber mais sobre este vinho que vos apresento aconselho-vos a beber ou, para aqueles que confiarem em mim, encontrem neste blog a respectiva prosa.

Começa a ser frequente juntar duas virtudes: o restaurante Elvira em Braga (para mim o melhor restaurante em Braga) e o vinho Royal Palmeira Loureiro, curiosamente ambos vizinhos.

Neles descubro uma inseparável característica: formam um misterioso caleidoscópio, devido a esta busca incessante a cada movimento e combinações variadas de momentos simétricos e sempre diferentes.

No fim encontro sempre mais do que aquilo que desejava.

Ricardo Soares

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Escrever sobre vinhos


Um dos grandes mistérios da escrita é que posso expor variadíssimas coisas, mesmo as inatingíveis. Pode não ser o melhor método, mas é um. Posso escrever sobre o silêncio porque é um modo de alcançá-lo. Posso também escrever facilmente sobre a morte porque essa não é maneira de morrer.

O dilema é quando quero alcançar uma palavra e não consigo, vagueio por ali deambulante e titubeante à procura. Nem sempre com resultados satisfatórios...

O mesmo se passa com os vinhos. Há experiências interessantes quando se bebe um vinho e se o percebe. Para mim não chegam as palavras despojadas e reduzidas ao básico: os taninos, os citrinos, a fruta vermelha, acidez, flores, notas tropicais, carvão, mineral, frescura, estrutura, o sedoso e o melado, especiarias, etc...

Os vinhos são muito mais do que um dicionário: têm sons indizíveis que nos emocionam; sabores que se revelam antes, durante e após a sua libertação; têm espírito e sensibilidade; conservam dentro de si a alma das gentes...

Procurar isso, ou procurar escrever textos que façam sentir isso, é uma das minhas buscas permanentes.

Faz-me ser mais humano.

Ricardo Soares

segunda-feira, 2 de julho de 2018

5.ª edição Vinho Verde Fest - Braga.


A Câmara Municipal de Braga está a organizar a 5.ª edição do "Vinho Verde Fest" e ainda estão ABERTAS VAGAS para os Produtores de Vinho Verde que queiram estar presentes.

Podem entrar em contacto comigo.

Ricardo Soares

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Alguns vinhos


Hoje a minha tia-avó Etelvina de lá de "xima", que agora anda à rasca do fígado e está proibida de beber, ofereceu-me uns vinhos que lá tinha...
(Dedico este post ao meu bom amigo Paulo Duarte e que desejo as rápidas melhoras🍾🍾🍷🍷)

Ricardo Soares