segunda-feira, 3 de abril de 2017

Álvaro Castro Dão tinto 2011



Muitos falam da elegância dos vinhos do Dão mas eu como consumidor não vejo grandes estratégias capazes de ombrear com outras regiões e sinto algumas dificuldades em adquirir vinhos de determinados produtores desta região.
O consumidor que paga é diferente daquele consumidor que não paga. Normalmente, no mercado, o consumidor que paga e procura é aquele que mais valoriza o produto. Que premissa tão simples e nada difícil de entender: paga logo valoriza. Ao contrário de muitos que se gabam em expor nos fóruns e blogs os seus desarrolhares que lhes foram oferecidos pelos produtores, na minha garrafeira todas as garrafas têm o peso dos euros.  E por isso assumo a responsabilidade das minhas provas e valorizações subjectivas.

Mas vamos ao que interessa: Álvaro Castro Dão 2011.
No ponto. Não encontro melhor explicação para este belíssimo vinho. Estava no ponto. Com um requinte vibrante, elegante, sublime, refinado e preciso. Dos melhores vinhos tintos que já bebi nos últimos tempos.
Esboçou uma cor vermelho vivo, um aroma intenso e fino, notas de fruta madura. Taninos bem polidos e um final longo, elegante e apelativo. Porra, estava mesmo no ponto.

Vinho bebido no Delicatum, em Braga

Ricardo Soares

2 comentários:

  1. Olá Ricardo,
    Há cerca de 1 ano provei esse vinho e achei que tinha um potencial enorme mas naquela altura era um vinho estranho, cheio de floreados, com um sabor algo estranho...mas percebi que largando aquelas flores deveria ser um vinho enorme...agora constato :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia Rui,
      Digo-lhe francamente que tem sido dos melhores vinhos que tenho bebido. O vinho está divinal. Pelo preço mete muitos vinhos que são bem mais caros debaixo do braço. E já comprei mais duas garrafas para beber brevemente. Sinceramente, por 5 euros é uma excelente aposta e bastante segura. Se por ventura fizer uma prova cega com este vinho dirão que este é um topo de Gama do Dão. Obviamente que gostos não se discutem, eu adorei. Acho que está no ponto,2017 é o ano que este vinho deve ser bebido, está mesmo no ponto. Mas irei fazer uma experiência, vou deixar uma garrafa para beber no próximo ano, quero ver a sua evolução
      Abraço

      Eliminar