segunda-feira, 29 de maio de 2017

Casal Figueira branco 2006 tradition


Já leram o poema "na hora de pôr a mesa, éramos cinco" in "A criança em ruínas", de José Luís Peixoto? Aconselho a ler... podem ler aqui .

Enquanto bebia o "Casal Figueira branco 2006 tradition" gorgolejava dentro de mim este poema. Mas no meu caso éramos seis: a minha esposa, os meus sogros, o meu cunhado, eu e o produtor António Carvalho. Sim, o falecido António Carvalho também esteve presente. Tenho várias testemunhas oculares que confirmam: éramos seis. E bebemos...

Este vinho só faz sentido se for bebido na presença de António Carvalho. Só assim ele se mostra cheio de brilho, límpido, intenso, denso, encorpado, persistente, mineral, boa acidez e volumoso. Com uma personalidade irrepetivelmente única.

E de repente, enquanto escrevo este texto, fiquei com saudades. Deste vinho e do bom anfitrião António Carvalho.
Na hora de pôr a mesa, seremos sempre seis. Enquanto um de nós estiver vivo, seremos sempre seis: a minha esposa, os meus sogros, o meu cunhado, eu e o António Carvalho.

Que me perdoe a sua esposa Marta Soares...

Ricardo Soares

Sem comentários:

Enviar um comentário